15/08/2016 | falando sobre Fitness

Nos posts anteriores, venho dando dicas de como manter o foco nas atividades físicas aqui e aqui. Agora falarei sobre como manter o foco na alimentação. Se você está lendo isso e é daquelas pessoas que a cada mês, bimestre ou semestre inventa de fazer uma dieta nova, seja por questões de saúde ou estética, pare já! Nada de shake emagrecedor, nada de pílula mágica que seca a barriga ou de dieta das 800 calorias. Não desmerecendo os efeitos dos mesmos, mas vocês me entenderão.

dieta
Ao se tratar de estética, vejamos: de que adianta fazer uma dieta como a famosa das 800 calorias, emagrecer pra caramba ao final dela e depois voltar a comer mais e coisas menos saudáveis? Falo isso pois já fiz essa e além de passar muito mal, não me adiantou de absolutamente nada. Quanto aos shakes e remédios, por quais razões deveríamos nos tornar dependentes de tais produtos que nem possuem os nutrientes necessários para a nossa alimentação? Viver à base de suplementos e vitaminas encapsuladas não deveria ser uma opção. E pior, por que será que o efeito sanfona se mantém tão presente nessa rotina?

Ao se tratar de saúde, vejamos também: muitos de nós nos entregamos à má alimentação, àquela uma vez que não vai fazer mal e que se tornam duas, três e por aí vai. Muitos de nós também nascemos com determinadas disfunções que só poderão ser tratadas com uma dieta mesmo, confesso. Mas, e se ao invés da sua alimentação se modificar conforme a necessidade daquele momento, você não a transformasse como um todo na rotina? Já parou para pensar nos benefícios que lhe causariam? Ou não abriria mão daquele doce ou salgado por nada nesse mundo?

Primeiramente, procure um especialista na área nutricional! Em segundo lugar, seja curioso, leia mais e mais!

Como experiência própria, digo que mesmo comendo coisas saudáveis todos os dias, não negava aquele delicioso Oreo, aquele brigadeiro de derreter os corações ou aquela coxinha no meio do lanche na faculdade. Por infelicidade, já tenho uma pré-disposição a ser anêmica e adivinhe só: a ingestão de nutrientes, mesmo que diária, não era suficiente. Com o passar do tempo me tornei uma pessoa extremamente fraca, passava mal o tempo inteiro.

Depois de muito pesquisar, encontrei as dietas que me salvariam. São chamadas de dietas apenas para se adequar ao padrão, mas na verdade, tratam-se de mudanças no estilo de vida. Sobre cada uma das que me tornei entusiasta, falarei mais adiante em outros posts, mas a intenção é dizer que, o que realmente vale à pena, é quando mudamos a rotina por completo, perpetuamente e não momentaneamente.

Os resultados dessa mudança na minha vida foram significativos: descobri que o que eu chamava de gordura, na verdade era só inchaço provocado pelo excesso da ingestão de carboidrato, sódio e outras coisas mais. As enxaquecas provocadas pelo consumo de glúten e farináceos se foram. A disposição para a prática de atividades físicas subiu a um nível que eu não achei que fosse capaz e a imunidade aumentou significativamente.

Cada caso tem sua particularidade, mas por todos os depoimentos que li e ouvi e o que aprendi com alguns nutricionistas que disponibilizam seu material na internet ficou claro: a melhoria vem da mudança na rotina, não da dieta de 2 semanas ou daquele remédio que mais te faz ficar dependente do que ajuda com a sua meta.

Portanto, não faça dieta, mude seu estilo de vida! Saiba valorizar as pequenas coisas e esteja aberto a descobrir novos sabores. Afinal de contas, é melhor prevenir do que remediar, seja pela saúde ou seja pelo emagrecimento. Não vai precisar emagrecer se não engordar.

Espero que tenham gostado. Qualquer dúvida, estarei à disposição para responder!

10/08/2016 | falando sobre Filmes

O filme Já estou com saudades (ou Miss You Already, no título original) ficou famoso por fazer pessoas chorarem. Como ele está no Netflix, resolvi ver pra tirar a prova e adivinha só… chorei também. Achei o filme maravilhoso e, apesar de falar sobre o câncer, vi que foge do clichê que já estamos acostumados. Além disso, não gira em torno de um par romântico, e sim de duas melhores amigas. Trouxe pra vocês a sinopse e contei o que eu aprendi – ou as ideias que reforcei – assistindo essa história apaixonante.

Jess (Drew Barrymore) e Milly (Toni Collette) são melhores amigas desde a infância. Enquanto Milly se casou, teve dois filhos e construiu uma carreira de sucesso, Jess decidiu levar uma vida pacata ao lado do marido Jago (Paddy Considine). Após se submeter a um tratamento, Jess enfim consegue engravidar. Mas a notícia vem justamente quando Milly descobre ter câncer de mama e precisa passar por quimioterapia, o que necessitará do apoio não apenas da amiga, mas de toda a família.

O que eu aprendi com o filme “Já estou com saudades”

A história fala sobre relações reais e foca na fragilidade de uma amizade, de casamentos e da relação entre pais e filhos ao se deparar com uma doença séria. Sim, saímos um pouco do clichê mocinho e mocinha apaixonados + vilãs ou vilões que tentam atrapalhar o romance e entramos em um assunto mais sério. Mas será que essa “fragilidade” permite com que a pessoa faça o que quiser? A dificuldade e o sofrimento de alguém dão carta branca pra que essa pessoa trate mal e provoque sofrimento desnecessário nas pessoas ao seu redor também? Ninguém que não tenha passado por algo pode falar sobre isso, e como eu nunca passei por uma doença tão séria, não tenho propriedade pra falar diretamente sobre isso. Acontece que, como sempre, tentei me ver no filme e modificar a história para que se encaixasse na minha vida.

Muitas vezes nós temos problemas enormes e não sabemos como resolver, com o tempo e o cansaço causado pelo sofrimento e com o desespero de não encontrar uma saída, acabamos atingindo outras pessoas. Fechamos os olhos para o sofrimento alheio e usamos nossa dor como arma e propósito pra magoar as pessoas que nos rodeiam, mesmo sem perceber. Vendo isso em uma situação mais extrema fica fácil identificar os erros alheios e se posicionar a respeito, por isso, assistindo filme Já estou com saudades eu percebi que preciso mudar algumas atitudes na minha vida e não culpar terceiros pelas minhas dores. É uma mudança difícil porque todos nós, em algum momento, fazemos isso sem nos dar conta do quanto isso pode doer em alguém, mas é algo a ser trabalho e no fim, valerá a pena o esforço.

Já assistiu o filme? O que achou? Conta ai nos comentários!

Por Lorenna Guerra
Tags:
Páginas12345... 175»

Top